Hoje acordei com uma indicação para um site daqueles que afloram nosso lado doentio , consumista e fantasioso.
Falar de sapatos , é se transportar para um universo singular cheio de códigos.
Um universo aonde você pode ser quem quiser e ir aonde bem entenda dependendo da maneira como calçe os seus pés.
Com um sapato você afirma , mostra , esconde , disfarça .
Sapatos são certamente os itens mais democráticos no armário de uma mulher .
Não entregam sua idade , seu peso , sua altura , suas manias , taras, e loucuras .
Cabe um , ou mais pares , em um único dia e essa possibilidade pode fazer questionar diariamente quem é você , o que quer da vida e aonde você quer chegar , pra saber se coloca aquela última aquisição sapato-escultura-conforto-zero , ou uma sapatilhazinha rasteira com sola de borracha que te permita ir além. Se for além de um espaço físico, porque para além da imaginação só penso no sapato-escultura.
Na fantasia não existem bolhas nem dedo mindinho do pé esmagado ou saindo pra fora naquele corte localizado maravilhoso no cantinho .
Não tem cãimbras , necessidade de equilíbrio e nem a dobradura certa dos joelhos para não andar meio pateta.
E com a possibilidade de tanta fantasia, tanta experimentação , tanta brincadeira com os pés , vivemos mesmo tendo que garimpar belezas que fujam do óbvio. Raridades escondidas em algum lugar longe dos sapatos confortáveis e marrons que se multiplicam estação á estação nas prateleiras mais monótonas desse país.
Sapato confortável e marrom .
Esse aliás é um capítulo que acabei de desistir de falar.
Não ia valer a pena. Existe gente honesta e trabalhadora escondida acima desses pisantes, mas eu queria mesmo é esculhambar .
Vou deixar para um dia de fúria : detonar os sapatos marrons ( e todas suas variantes , com uma dose agravante sobre o tom caramelo ).
Hoje quero enfeitar a vista , já que para o consumo é raríssimo encontrar coisas do tipo . Ainda estamos vestindo os pés de Lampião e Maria Bonita , numa escala evolutiva da ousadia dos sapatos. Fomos soterrados pelos saltos de cortiça fake plástica , tachinhas que se enferrujam, muito couro sintético para aquelas sandálias de festa prata , ouro e cobre .
Medo . Muito medo disso tudo.
Por ora, continuo me equilibrando nos meus sapatos- escultura.
Para ilustrar essa fantasia toda , naveguem por aqui.
Cada pedaço vale a pena.





5 comentários:

Virginia Barros disse...

Ei Sol! Adorei receber seu e-mail e vim correndo conhecer o blog. E ainda cheguei no post sobre calçados.Esse site é uma delícia, já tinha me esquecido dele. Este ano estou fazendo o sapato que sempre quis e nunca consegui. Fiz o mesmo que você, chutei o balde! Quando ficarem prontos, te aviso.
Bjs e me visite: www.virginiabarros.blogspot.com

Kathy disse...

Achei incrível !!!
bjs

LYDIA disse...

Por Ricardo Duarte


PS.3: Vc frequenta o Blog da Sol? Ela é. simplesmente, GENIAL!!! A qualidade do texto dela e, principalmente, das suas criações, remete, qualquer ser pensante e sensível à estética descomprometida com as expectativas dos nossos ontens, a um frenesi inebriante de modernidade. Suas inspiradas pinceladas no processo de eleição dos matizes e formatos que moldam suas coleções de sapatos, bolsas, vestuário e acessórios, revelam uma mente confortalmente desconfortável com a inércia histórica das expectativas das presivíels e conformadas habituées das passarelas de Paris. A proposta de Sol não é simplisticamente o despojo gratuito e quebra de convenções. Vai muito além. Ela diz, em alto e bom som...BASTA! Vamos nos vestir para privilegiar nossa alegria em viver, transferindo para o que cobre os nossos corpos essa alegria, ampliando o esplendor das suas cores e seus formatos, desafiando a lei da gravidade e da ótica formal. Resultado: Um show! Sol é a mais criativa produtora de moda do século XXI, antenada, por subjetiva observação provocante e alimentada pelos seus gens paternos. Paris: venha renovar seus conceitos de moda. Basta um vôo pela Air France ao Rio, tome um taxi para Ipanema e...voilá...despoje-se de sua roupa antiquada e ingresse na modernidade!



Ricardo

Ilka disse...

Solica,como vc, escreve bem!
Ja te conheço como uma mulher dina-
mica,criativa e afetuosa com sua fa
milia e amigos mas "éscritora"é uma surpresa maravilhosa.
Confesso que meus sapatos são na maioria,marrom,bege e corde burro quando foge,depois de ler sua cronica,perfeita, meus pés vão virar verdadeiros arco-iris!
Parabens,bjs. da Vó---20-maio 2009

Michele disse...

Mesmo que um dia vc desista deste blog, guarde seus textos!
Valem muito mais do que zirzi bound!!! Esplendorosa...
Emocionante tb o post da mami by Ricardo (titio?)... Plic!
(Vontade de sair correndo e tentar fazer qq coisa que seja digna de seu post e crítica!!!!!!)